Revista Reformador

Allan Kardec, a educação e o educador

Na “[…] antiga família lionesa, católica, de nobres e dignas tradições”¹ nasceu Hippolyte Léon Denizard Rivail, o futuro Allan Kardec, no dia 3 de outubro de 1804, em Lyon, e desencarnou em 31 de março de 1869, na cidade luz de Paris, na França. Seus pais chamavam-se Jean-Baptiste Antoine Rivail e Jeanne Louise Duhamel. A família residiu na rua Sala, n. 76. Sua casa desapareceu quando foi inundada essa rua em 1840 e, dessa data até 1852, segundo Henri Sausse, a rua foi alargada.²

Quando tinha 10 anos,  Rivail foi matriculado no Instituto Yverdun, fundado e dirigido pelo famoso pedagogo Johann Heinrich  Pestalozzi, considerado “o educador da Humanidade”, como consta em epitáfio do monumento construído à sua memória “em Birr (cantão de Argóvia)”.³ O Instituto, localizado na Suíça, era na época a mais renomada escola da Europa. Ali estudou Roger de Guimps, que escreveu um livro sobre a obra pestalozziana,⁴ e várias outras grandes personalidades destacadas do passado, que também escreveram sobre a excelência do Instituto.

Os fundamentos da educação, para Pestalozzi, eram a disciplina e o amor. Em seu Instituto, “Não havia castigos nem recompensas. Pestalozzi não queria a emulação nem o medo. Só admitia a disciplina do dever, ou melhor, a da afeição, do amor”, segundo Gabriel Compayré.⁵

Acrescenta Wantuil, em seguida, que Pestalozzi,

[…] Nas admoestações que fazia, sempre indiretas, punha tanta bondade e compreensão em suas palavras, que não raro os alunos se retiravam com lágrimas nos olhos, de sincero arrependimento. Além de receberem excelente preparo físico, intelectual e moral, os escolares eram igualmente educados para a vida em sociedade, de modo a poderem enfrentar o mundo em qualquer situação ou circunstância.⁶

Pestalozzi, embora protestante, educava jovens de outras crenças com base na tolerância e distante “[…] dos preconceitos e das paixões religiosas”⁷ de seu tempo. Para ele, o importante era a prática da “[…] moral ativa e intuitiva e não a moral de cartilha […]”.⁸

Para o pedagogo suíço o ensino e a prática da moral, antes da instrução, deveria ser a base da educação. Mais tarde, o agora compilador, organizador e comentador da Doutrina Espírita, Allan Kardec, diria que somente o ensino moral dos Evangelhos estaria livre de controvérsias e se constituiria na base para que nos tornássemos verdadeiros cristãos e cidadãos de bem.

Assim foram os primeiros anos do jovem Denizard Rivail. A tradição de sua família era a de que a transformação da sociedade teria por base o lema da Revolução Francesa: “Liberdade, Igualdade, Fraternidade” e, sobretudo, respeito à vida. E isso só seria possível com a educação que se iniciasse pela elevação do caráter da criança e do jovem, jamais pela violência, nunca pela discriminação à crença, etnia, sociedade ou cultura de alguém.

Tendo na educação o mais eficaz instrumento de elevação moral, sem o qual a instrução não passaria de letra morta, a influência pestalozziana na formação de Rivail seria de tal modo marcante que este criou, em Paris, o primeiro instituto semelhante ao de Yverdun, substituído, em 1835, pelo Liceu Polimático. Neste último lecionou, durante quinze anos, diversos cursos gratuitos, como os de Química, Física, Astronomia e Fisiologia.⁹

Autor e tradutor de várias obras, pois falava e escrevia fluentemente o alemão, tão bem como o francês, além de outros idiomas, Rivail, aos 20 anos, publicou a obra intitulada Curso prático e teórico de aritmética, que, somente no primeiro ano de sua publicação, teve duas edições, e por mais de cinquenta anos foi reeditada e adotada na França.¹⁰

Zêus Wantuil¹¹ relaciona 19 obras publicadas e 11 diplomas recebidos pelo professor Rivail em sua atividade de fundador, diretor de escola, professor, escritor e tradutor. E conclui:

Entre outras matérias, lecionou, como pedagogo de incontestável autoridade: Química, Matemática, Astronomia, Física, Fisiologia, Retórica, Anatomia Comparada e Francês. Era dado a estudos filológicos e de gramática da língua francesa. Conhecia profundamente o alemão, o inglês, o holandês, assim como eram sólidos seus conhecimentos do latim e do grego, do gaulês e de algumas línguas novilatinas, como a italiana e a espanhola, as quais falava fluentemente.¹²

Kardec também estudou o magnetismo durante cerca de trinta anos. Na Revista Espírita de março de 1858, diz ele que

O magnetismo preparou o caminho do Espiritismo, e o rápido progresso desta última doutrina se deve, incontestavelmente, à vulgarização das ideias sobre a primeira. Dos fenômenos magnéticos, do sonambulismo e do êxtase às manifestações espíritas não há mais que um passo; tal é sua conexão que, por assim dizer, torna-se impossível falar de um sem falar do outro. […]¹³

Esse foi o período inicial da formação do educador, Hippolyte Léon Denizard Rivail, que, por mais de trinta anos, se empenhou na educação de crianças e jovens parisienses com base na didática pestalozziana, que adaptou e tornou conhecida na França. Como atento observador que sempre fora, porém, sonhava contribuir para a unidade de crença no mundo. Entretanto, ele conhecia bem o espírito de intolerância religiosa de todos os tempos, em especial no que observou durante sua época de aluno do Instituto de Pestalozzi, quando católicos e protestantes não se entendiam. Daí sua não estranheza, quando constatou que a Igreja, instituição da tradição religiosa de sua família, não percebeu nas manifestações dos Espíritos a inauguração de uma Nova Era para a Humanidade.

O Espírito Zéfiro informou a Rivail que, em reencarnação ocorrida, provavelmente, há cerca de dois mil anos, o seu nome fora Allan Kardec, sacerdote druida na sociedade celta das Gálias. A partir dessa revelação, é com esse nome que o mundo passa a conhecê-lo. A revista Reformador, nov. 1976, no artigo Rivail – o direito de ser Kardec, p. 331 a 333, traz informações detalhadas sobre os motivos da adoção do pseudônimo pelo qual seria conhecido o Codificador do Espiritismo. Esse e outros periódicos mais antigos podem ser acessados no site www.febnet.org.br.

O sonho de Kardec jamais fora fundar uma nova crença, mas ver a unificação do aspecto moral em todas as religiões, promovendo sua união. Com o advento dos fenômenos mediúnicos e sua revelação superior, esforçou-se em mostrar ao mundo a Filosofia e Ciência do Espírito, como a Nova Revelação cristã, sob a direção do Espírito de Verdade. E propunha a todas as religiões promover o ecumenismo religioso no qual imperasse a tolerância, a fraternidade, o amor e a caridade segundo o modelo de Jesus, o Messias Divino.

Desse modo, ao citar João, 10:16, que termina anunciando a existência de “um só rebanho e um só pastor”, Kardec comenta o seguinte:

Por essas palavras, Jesus anuncia claramente que os homens um dia se unirão por uma crença única; mas como poderá efetuar-se essa união? A tarefa parece difícil, tendo-se em vista as diferenças que existem entre as religiões, os antagonismos que elas alimentam entre seus respectivos adeptos e a obstinação que manifestam em se acreditarem na posse exclusiva da verdade. Todas querem a unidade, mas cada uma se vangloria de que essa unidade se fará em seu proveito e nenhuma admite a possibilidade de fazer qualquer concessão às suas crenças.¹⁴

Em seguida, o Codificador do Espiritismo explica, cheio de otimismo, que a unidade religiosa ainda ocorrerá, assim como a união entre os povos, pelos laços de fraternidade e pela evolução da razão humana. E conclui o novo parágrafo dizendo:

“[…] Se é certo que a Ciência demole, nas religiões, o que é obra dos homens e fruto de sua ignorância das Leis da Natureza, também é certo que não poderá destruir, apesar da opinião de alguns, o que é obra de Deus e eterna verdade. […]”.¹⁵

É preciso que as religiões não se imobilizem e, sim, façam concessões e sacrifícios maiores ou menores para se unirem em torno de um “[…] terreno neutro, se bem que comum a todas […]”.¹⁶ Esse espaço é o da moral mais pura, mais lógica e “[…] mais de harmonia com as necessidades sociais, o mais apropriado, enfim, a fundar na Terra o reinado do Bem, pela prática da caridade e da fraternidade universais”.¹⁷

Assim sonhava Kardec, assim sonhamos todos nós, espíritas e não espíritas que acreditamos na educação pelo amor como base de um mundo melhor. Informa Wantuil que ano antes de desencarnar, o Codificador mantinha, ainda, intacto seu ideal de mocidade quando escreveu:

“A unidade de crença será o laço mais forte, o fundamento mais sólido da fraternidade universal, obstada, desde todos os tempos, pelos antagonismos religiosos que dividem os povos e as famílias, que fazem sejam uns, os dissidentes, vistos, pelos outros, como inimigos a serem evitados, combatidos, exterminados, em vez de irmãos a serem amados.”¹⁸

“O Espiritismo foi a obra de minha vida”, diria Allan Kardec, cujo tempo, fortuna, repouso e saúde sacrificara pelo desejo de contribuir, humildemente, como instrumento de divulgação e exemplificação das mensagens trazidas ao mundo pelos Espíritos Superiores, sob a direção amorosa do Cristo.

Plenamente consciente sobre a importância da educação intelecto-moral, esse humilde servidor de Jesus e missionário maior da Terceira Revelação, comenta o seguinte, em O evangelho segundo o espiritismo:

O homem só possui em plena propriedade aquilo que lhe é dado levar deste mundo. Do que encontra ao chegar e deixa ao partir, goza ele enquanto aqui permanece. Desde, porém, que é forçado a abandonar tudo isso, não tem a posse real das suas riquezas, mas, simplesmente, o usufruto. Que possui ele, então? Nada do que é de uso do corpo; tudo o que é de uso da alma: a inteligência, os conhecimentos, as qualidades morais. Isso é o que ele traz e leva consigo, o que ninguém lhe pode arrebatar, o que lhe será de muito mais utilidade no outro mundo do que neste. Depende dele ser mais rico ao partir do que ao chegar, porque, daquilo que tiver adquirido em bem, resultará a sua posição futura. […]¹⁹

Foi isso que Allan Kardec aprendeu desde criança, dedicou toda a sua vida missionária a transmitir ao próximo, como verdadeiro espírita e cristão que ele sempre soube ser. Ao tomar conhecimento de sua missão, como verdadeiro apóstolo do Cristo, ele expressou-se, em resposta ao Espírito Verdade, cheio de júbilo e gratidão ao Criador:

[…] Espírito Verdade, agradeço os teus sábios conselhos. Aceito tudo, sem restrição e sem ideia preconcebida.
Senhor! Já que te dignaste lançar os olhos sobre mim para cumprimento dos teus desígnios, faça-se a tua vontade! A minha vida está nas tuas mãos; dispõe do teu servo. Reconheço a minha fraqueza diante de tão grande tarefa; a minha boa vontade não desfalecerá, mas talvez as forças me traiam. Supre a minha deficiência; dá-me as forças físicas e morais que me forem necessárias. Ampara-me nos momentos difíceis e, com o teu auxílio e o amparo dos teus celestes mensageiros, tudo farei para corresponder aos teus desígnios.²⁰

Que o exemplo desse extraordinário missionário nos sirva de incentivo para que jamais aleguemos falta de tempo ou de bom ânimo ante a necessidade de aprender para melhor servir. E que jamais nos esqueçamos de que sem humildade, abnegação, perdão e devotamento ao próximo não teremos compreendido bem sua obra sintonizada com a do Espírito Verdade.

Cristo espera de nós o bom cumprimento dos pequenos compromissos, para que sejamos dignos de missão mais elevada, como foi a de Allan Kardec, o educador espírita da Humanidade.

 

REFERÊNCIAS:

¹ WANTUIL, Zêus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec : o educador e o codificador. v. 1. 3. ed. Brasília: FEB, 2007. cap. 1 – Nascimento. Progenitores , p. 21.
² ______. ______. nota de rodapé 3.
³ ______. ______. cap. 2 – Formação escolar de Rivail. A reputação mundial do Instituto de Yverdun , p. 29.
⁴ ______. ______. cap. 3 – As atividades no Instituto , p. 31.
⁵ ______. ______. p. 34.
⁶ ______. ______.
⁷ ______. ______. cap. 11 – O pensamento religioso de Pestalozzi na
formação de Rivail , p. 71.
⁸ ______. ______.
⁹ WANTUIL, Zêus. Grandes espíritas do Brasil . 4. ed. Brasília: FEB, 2002. Allan Kardec , p. 18 e 22.
¹⁰ ______. ______. p. 21.
¹¹ ______. ______. p. 26 a 30.
¹² ______. ______. p. 30.
¹³ KARDEC, Allan. Revista Espírita : jornal de estudos psicológicos. ano 1, n. 3, mar. 1858. Magnetismo e Espiritismo , p. 147. Trad. Evandro
Noleto Bezerra. 5. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2014.
¹⁴ ______. A gênese . Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2013. cap. 17, it. 32.
¹⁵ ______. ______. p. 327.
¹⁶ ______. ______.
¹⁷ ______. ______. p. 328.
¹⁸ WANTUIL, Zêus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec : o educador e o codificador. v. 1. 3. ed. Brasília: FEB, 2007. cap. 11 – O pensamento religioso de Pestalozzi na formação de Rivail , p. 83.
¹⁹ KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo . Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 6. imp. Brasília: FEB, 2018. cap. 16, it. 9.
²⁰ ______. Obras póstumas . Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2016. Pt. 2, Extratos, in extenso , do livro das Previsões relativas ao espiritismo , it. Minha missão.