Revista Reformador

Sesquicentenário de desencarnação de Allan Kardec

Jorge Leite de Oliveira
jojorgeleite@gmail.com

No dia 31 de março de 2019, comemoram-se 150 anos da desencarnação de Allan Kardec, o incansável Codificador da Doutrina Espírita ou Espiritismo, encarregado por Jesus Cristo de organizar metodicamente a Terceira Revelação Divina na Terra, a qual saía da cegueira espiritual para a luz da fé raciocinada. Além de sua formação humanitária no renomado instituto pestalozziano, situado em Yverdon, na Suíça, o futuro missionário do Espiritismo era dotado de alta inteligência e coerência em sua busca da verdade relativa aos habitantes deste mundo ora em transição.

Influenciado na juventude pelas ideias positivistas do Iluminismo, ainda marcantes no século XIX, o futuro Codificador do Espiritismo conhecia as teorias dos sábios dessa escola: Galileu Galilei (1564–1642), René Descartes (1596–1650), John Locke (1632–1704), Isaac Newton (1642–1727), Voltaire (1694– 1778), Jean-Jacques Rousseau (1712–1778) e outros filósofos. O instituto de Pestalozzi, situado em Yverdon, seguia predominantemente as teorias iluministas, em especial as de Rousseau.

Galilei propôs o racionalismo como base científica do pensamento. Criou a ideia moderna da observação e da experimentação científica. René Descartes foi o autor da célebre frase: “Penso, logo existo”. Para esse filósofo, “a razão é o critério de validade” para a explicação do que é “verdadeiro, claro e distinto”. John Locke defendia o empirismo filosófico e científico, segundo o qual, também, todo conhecimento deve basear-se na observação e na experiência. Isaac Newton dizia que todos os fenômenos da Natureza eram regidos pelas leis da Física e cabia à Ciência a descoberta dessas leis. Voltaire, cujo nome verdadeiro era François-Marie Arouet, era anticlerical e criticava o absolutismo e a intolerância religiosa em sua época. Defendia a liberdade de pensamento de modo intransigente. Rousseau propôs a “soberania popular da liberdade e da igualdade”, que influenciou a Revolução Francesa com base no lema: “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”.

O principiante espírita e mesmo alguns adeptos novatos do Espiritismo, em geral, só conhecem as cinco obras da Codificação e, quando muito, a Revista Espírita, além de mais um ou outro livro de Allan Kardec. Wantuil e Thiesen fizeram uma relação completa de todas as obras consideradas importantes para o estudioso conhecer o trabalho gigantesco realizado pelo Codificador do Espiritismo ao longo de cerca de quatorze anos, pois este iniciou suas observações e experimentações, na casa da Sra. Plainemaison em maio de 1855 e só parou de trabalhar em 31 de março de 1869. Nessa data, ao receber uma de suas obras das mãos de um caixeiro de livraria, “caiu pesadamente ao solo, fulminado pela ruptura de um aneurisma” (WANTUIL; THIESEN, 2010, v. 2, p. 261).

Allan Kardec desencarnou aos 64 anos e deixou à Humanidade o legado extraordinário da Doutrina Espírita, Consolador prometido por Jesus no capítulo 14:16 a 18 do Evangelho de João. As obras de Kardec e dos Espíritos, sob a direção do Espírito Verdade, foram relacionadas por Wantuil e Thiesen. São elas:

1) O livro dos espíritos (1857); 2) Instrução prática sobre as manifestações espíritas (1858); 3) O que é o espiritismo (1859); 4) Carta sobre o espiritismo, por Allan Kardec (1860); 5) O livro dos médiuns ou guia dos médiuns e dos evocadores (1861); 6) O espiritismo na sua expressão mais simples (1862); 7) Viagem espírita (1862); 8) Resposta à mensagem dos espíritas lioneses por ocasião do Ano-Novo (1862); 9) Resumo da lei dos fenômenos espíritas ou primeira iniciação (1865); 10) O evangelho segundo o espiritismo (1865), que na primeira edição, em 1864, recebera o nome de Imitação do evangelho segundo o espiritismo; 11) Coleção de composições inéditas extraídas de O evangelho segundo o espiritismo (1865); 12) O céu e o inferno ou a justiça divina segundo o espiritismo (1865); 13) Coleção de preces espíritas (1865); 14) Estudo acerca da poesia mediúnica, por Allan Kardec; 15) Caracteres da revelação espírita; 16) A gênese, os milagres e as predições segundo o espiritismo (1868); 17) Revista Espírita (jan. 1858 a abr. 1869); 18) Obras póstumas (1890) (WANTUIL; THIESEN, 2010, v. 2, p. 175).

Tudo isso em quatorze anos de trabalho ininterrupto. Como todo ser humano, Kardec cometia equívocos, mas tão logo percebesse que se enganara, não titubeava em corrigir-se. Exemplo disso temos na sua dedução de que a possessão, como substituição da manifestação da alma do obsidiado pelo obsessor era impossível, conforme expôs em O livro dos médiuns ( KARDEC, 2016, Pt. 2, cap. 23 – Obsessão, it. 241), mas retificou essa ideia em A gênese, quando explica que o socorro de outras pessoas torna-se necessário quando a obsessão alcança o grau da subjugação e da possessão, “[…] porque neste caso o paciente não raro perde a vontade e o livre-arbítrio” (KARDEC, 2013, cap. 14 – Os fluidos, it. 46, grifo nosso).¹

No seu entendimento anterior, o que havia era sempre subjugação do Espírito obsessor ao médium desequilibrado espiritualmente. No capítulo 14, itens 47 a 49 e no capítulo 15 – Os milagres do Evangelho, itens 29 a 35 (KARDEC, 2013), o Codificador continua sustentando seu novo entendimento sobre a possibilidade da possessão.

Esse novo posicionamento de Kardec já havia sido expresso na Revista Espírita de dezembro de 1863, quando ele admite a possibilidade da possessão:

Dissemos que não havia possessos no sentido vulgar do termo, mas subjugados. Queremos reconsiderar essa asserção, posta de maneira um tanto absoluta, já que agora nos é demonstrado que pode haver verdadeira possessão, isto é, substituição, embora parcial, de um Espírito encarnado por um Espírito errante. […] (KARDEC, 2009a, Um caso de possessão, it. Senhorita Júlia).

Em seguida, apresenta um fato que prova a possessão.

Até abril de 1869, Kardec deixara preparadas as matérias a serem publicadas na Revista Espírita. Com sua desencarnação, em 31 de março daquele ano, esse conteúdo foi publicado e, a partir de maio, Armand Théodore Desliens, secretário-gerente assumiu a direção da revista. Segundo Almeida,

[…] Questões que não podiam ser desenvolvidas amplamente em suas obras, sujeitas a limites de espaço, eram na Revue Spirite analisadas com minúcias. Fazia a leitura do mundo da sua época e do passado, colhendo temas aparentemente vulgares, sem importância, e interpretava-os do ponto de vista espírita, enriquecendo-os com sua análise criteriosa, fazendo emergir suas causas e consequências. Escrevia valiosos comentários das leituras que fazia em livros, folhetins, artigos e documentos literários, filosóficos, científicos e religiosos, de épocas diversas, desde que contivessem referências e manifestações dos Espíritos ou princípios, ideias e pensamentos espíritas. ( ALMEIDA, In: CAMPETTI SOBRINHO, 2009, p. 23).

O primeiro texto da Revista Espírita de maio de 1869 estampou a biografia de Allan Kardec. Seu autor, de início, lamenta profundamente a desencarnação do “fundador do Espiritismo”. Entre outras considerações, diz sobre este o seguinte:

Evitando as fórmulas abstratas da Metafísica, ele soube fazer que todos o lessem sem fadiga, condição essencial à vulgarização de uma ideia. Sobre todos os pontos controversos, sua argumentação, de cerrada lógica, poucas ensanchas oferece à refutação e predispõe à convicção. As provas materiais que o Espiritismo apresenta da existência da alma e da vida futura tendem a destruir as ideias materialistas e panteístas. Um dos princípios mais fecundos dessa Doutrina e que deriva do precedente é o da pluralidade das existências, já entrevisto por uma multidão de filósofos antigos e modernos e, nestes últimos tempos, por Jean Reynaud, Charles Fourier, Eugène Sue e outros. Conservara-se, todavia, em estado de hipótese e de sistema, enquanto o Espiritismo lhe demonstra a realidade e prova que nesse princípio reside um dos atributos essenciais da Humanidade. Dele promana a explicação de todas as aparentes anomalias da vida humana, de todas as desigualdades intelectuais, morais e sociais, facultando ao homem saber donde vem, para onde vai, para que fim se acha na Terra e por que aí sofre.

As ideias inatas se explicam pelos conhecimentos adquiridos nas vidas anteriores; a marcha dos povos e a da Humanidade, pela ação dos homens dos tempos idos e que revivem, depois de terem progredido; as simpatias e antipatias, pela natureza das relações anteriores. Essas relações, que religam a grande família humana de todas as épocas, dão por base, aos grandes princípios de fraternidade, de igualdade, de liberdade e de solidariedade universal, as próprias leis da Natureza e não mais uma simples teoria. (KARDEC, 2009b, maio 1869, Aos assinantes da Revista, it. Biografia do Sr. Allan Kardec, p. 192).

Concluindo esse resumo biográfico, diz o articulista:

Uma individualidade pujante constituiu a obra. Era o guia e o farol de todos. Na Terra, a obra substituirá o obreiro. Os crentes não se congregarão em torno de Allan Kardec; congregar-se-ão em torno do Espiritismo, tal como ele o estruturou e, com os seus conselhos, sua influência, avançaremos, a passos firmes, para as fases ditosas prometidas à Humanidade regenerada. (KARDEC, 2009b, maio 1869, p. 192).

Poucos dias após sua desencarnação, o Espírito Allan Kardec dita a diferentes médiuns diversas comunicações. Numa delas, esclarece que o ponto polêmico para que a Doutrina Espírita fosse unificada era o da reencarnação. De início, ele mesmo estranhara essa informação dos Espíritos, como afirmou em vida física, porém analisou-a detidamente e percebeu que somente ela explicava a Justiça Divina ante as diferenças sociais e individuais no mundo.

Em outra comunicação estimulou os espíritas que o sucederam a utilizarem firmeza de vontade, prudência e tolerância entre todos. Seria necessário agir “[…] sobretudo pela caridade, pelo amor, pela afeição […]”. E, finalizando, recomenda amar os que estão cegos pela ignorância e pelo materialismo, trabalhar sem recuo na implantação do reinado do amor e da fraternidade para a extinção dos “verdadeiros males”, dos “sofrimentos reais” que vêm da alma (KARDEC, 2009b, maio 1869, Dissertações Espíritas, p. 223 e 224).

Também da mais alta importância, em todas as épocas, foi a dissertação do Espírito Allan Kardec na Sociedade Espírita de Paris, no dia 30 de abril de 1869, que vem servindo de meta a ser alcançada pelos bons espíritas e homens de bem. Encimando seu texto, lemos o seguinte título: “O exemplo é o mais poderoso agente de propagação”. Pela sua importância, na divulgação do Espiritismo, a seguir citamos trecho de sua mensagem:

O que vos recomendo principalmente e antes de tudo, é a tolerância, a afeição, a simpatia de uns para com os outros e também para com os incrédulos.

Quando vedes um cego na rua, o primeiro sentimento que se impõe é a compaixão. Que assim seja, também, para com os vossos irmãos cujos olhos estão velados pelas trevas da ignorância ou da incredulidade; lamentai-os, em vez de os censurar. Mostrai, por vossa doçura, a vossa resignação em suportar os males desta vida, a vossa humildade em meio às satisfações, vantagens e alegrias que Deus vos envia; mostrai que há em vós um princípio superior, uma alma obediente a uma lei, a uma verdade também superior: o Espiritismo.

As brochuras, os jornais, os livros, as publicações de toda sorte são meios poderosos de introduzir a luz por toda parte, mas o mais seguro, o mais íntimo e o mais acessível a todos é o exemplo na caridade, a doçura e o amor.

Agradeço à Sociedade por ajudar os verdadeiros infortunados que lhe são indicados. Eis o bom Espiritismo, eis a verdadeira fraternidade. Ser irmãos: é ter os mesmos interesses, os mesmos pensamentos, o mesmo coração! (KARDEC, 2009b, jun. 1869, Dissertações Espíritas, p. 257).

Em virtude do surgimento de diversos conflitos bélicos que eclodiram pouco tempo após a desencarnação de Allan Kardec, como o da guerra entre França e Prússia (atual Alemanha), com a devastação do país do Codificador, que foi submetido ao domínio alemão durante anos, era preciso que os esforços do Cristo se voltassem para um país onde sua Doutrina pudesse reflorescer. Esse país, sem privilégio algum e sem demérito para as outras nações, é o Brasil, segundo o Espírito Humberto de Campos:

Enquanto na Europa a ideia espiritualista era somente objeto de observações e pesquisas nos laboratórios, ou degrandes discussões estéreis no terreno da Filosofia, não obstante os primores morais da Codificação Kardequiana, o Espiritismo penetrava o Brasil com todas as suas características de Cristianismo Redivivo, levantando as almas para uma nova alvorada de fé. Aí, todas as suas instituições se alicerçavam no amor e na caridade. […] (XAVIER, 2015, cap. 29 – O Espiritismo no Brasil, p. 178).

Inicia-se em nosso país o sonho de Kardec da unificação da crença cristã, que se expandirá, no futuro, na união de todas as religiões em torno de pontos comuns, como a existência de Deus, a sobrevivência da alma após a morte, a imortalidade do Espírito, sua manifestação após a existência física, a reencarnação e a caridade como alavanca de ascensão e purificação do Espírito. Pois o Codificador jamais pensou no Espiritismo como “religião do futuro”, mas sim como o “futuro das religiões”.

A ideia de unificação das crenças em torno de pontos inquestionáveis e comprovados pela Ciência do Espírito surgiu-lhe desde quando estudou no instituto de Pestalozzi. Pelo que observou ali, como aluno inteligente e solidário, concluiu que a intolerância religiosa entre católicos e protestantes fora a grande causadora do fechamento da escola pestalozziana. Com essa ideia, baseada numa Filosofia, tanto quanto possível inquestionável, e com fundamentos científicos, Kardec passou a trabalhar em silêncio ao longo dos anos. Mas faltava-lhe um elo superior para a realização desse ideal. Esse estava inteiramente presente na Doutrina dos Espíritos. Ele não se baseava em teorias humanas, mas nas daqueles que habitaram corpos físicos e agora recebiam permissão divina para nos livrar da ignorância, segundo a promessa do Cristo: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João, 8:32).

Nesse sesquicentenário de desencarnação de Allan Kardec, cujo trabalho jamais deixou de frutificar em solo brasileiro, para daqui reflorescer no mundo inteiro, transcrevemos a seguir a última estrofe do belíssimo poema ditado pelo Espírito Castro Alves e psicografado por Waldo Vieira:

O mudo voga num misto
De infortúnio e de esperança,
Pranteia a sorrir e avança
Nas bênçãos do Excelso Pai!
Kardec reflete o Cristo;
Desfralda, em bandeira à frente,
O convite permanente:
– “Espíritas, trabalhai!…”
( XAVIER; VIEIRA, 2002, Na Era do Espírito, p. 120).

////////////////// ¹N.A.: Tanto na primeira edição [edição histórica bilíngue] de A gênese quanto na 5a edição [1869] esses itens são idênticos.

REFERÊNCIAS:
ALMEIDA, Waldehir Bezerra de. Prefácio . In : CAMPETTI SOBRINHO, Geraldo. (Coord.). Revista Espírita 1858–1869 : índice geral. Brasília: FEB, 2009.
KARDEC, Allan. Revista Espírita : jornal de estudos psicológicos. ano 6, n. 12. dez. 1863. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 3. ed. 2. reimp. Brasília: FEB, 2009a.
______. ______. ano 12, ns. 5 e 6, maio/jun. 1869. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 3. ed. Brasília: FEB, 2009b. ______.A gênese : os milagres e as predições segundo o espiritismo. (5. ed. francesa de 1869). Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2013.
______.O livro dos médiuns ou guia dos médiuns e dos evocadores. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 2. ed. 1. imp. Brasília: FEB, 2016.
______.A gênese : os milagres e as predições segundo o espiritismo. [1aª edição – 1868]. Trad. Evandro Noleto Bezerra. 1. ed. 2. imp. (Edição histórica bilíngue). Brasília: FEB, 2018.
SABEDORIA POLÍTICA. Precursores e filósofos do iluminismo. Disponível em: https://www.sabedoriapolitica.com.br/ products/precursores-e-filosofos-do-iluminismo/. Acesso em: 20 dez. 2018.
TORCHI, Christiano. Espiritismo passo a passo com Kardec . 4. ed. 1. imp.
Brasília: FEB, 2016.
WANTUIL, Zêus; THIESEN, Francisco. Allan Kardec: o educador e o codificador. v. 2. 2. ed. 2. reimp. Brasília: FEB, 2010.
XAVIER, Francisco C. Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho . Pelo Espírito Humberto de Campos. 34. ed. 8. imp. Brasília: FEB, 2015.
XAVIER, Francisco C.; VIEIRA, Waldo. Antologia dos imortais . Espíritos Diversos. 4. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002.