Revista Reformador

Acertos genéticos

Richard Simonetti
richardsimonetti@uol.com.br

Após examinar ao microscópio o embrião fecundado em laboratório, o médico informou aos pais:

– Ele possui componentes genéticos que favorecerão a ocorrência futura de grave deficiência respiratória. Peço sua autorização para interferir, substituindo os genes comprometidos por outros saudáveis, doados pelos senhores.

Solicitação atendida, a substituição genética foi realizada, eliminando possível problema futuro.

Ações dessa natureza já são executadas com sucesso em experiências com cobaias. Nas próximas décadas constituirão rotina em seres humanos.

E mais: com o avanço do conhecimento sobre o comportamento das células-tronco, coringas celulares, futuramente será possível reconstituir órgãos comprometidos por doenças graves e até mesmo substituir membros amputados.

Diante desses avanços da ciência médica, a grande dúvida:

Como fica a Lei de Causa e Efeito, que dá a cada um segundo suas obras, conforme ensinava Jesus, atendendo a objetivos educativos?

Aprendemos com o Espiritismo que Deus não joga dados com seus filhos. Atendendo a planejamento ou dentro do automatismo reencarnatório, a combinação de elementos hereditários atende aos nossos compromissos de resgate.

Não é por mera falha genética que o Espírito reencarna com tendência a graves problemas respiratórios ou outro qualquer.

A Medicina jamais alcançará o prodígio de neutralizar os princípios de ação e reação que regem nossa evolução.

O que sempre fará, agente da Misericórdia Divina, será amenizar os males decorrentes de nosso comprometimento com vícios, maldades, desregramentos…

Os registros cármicos residem no Espírito. O corpo é apenas o reflexo, e as enfermidades mais graves funcionam como válvulas de escoamento das impurezas espirituais adquiridas quando enveredamos por caminhos tortuosos, contrariando as Leis Divinas.

Se uma “válvula” é substituída, outras surgirão, ante a pressão interna da culpa. A Medicina, portanto, por maiores sejam seus avanços, estará sempre cuidando de efeitos, males que se sucederão até que o Espírito se purifique por inteiro, livrando- se de mazelas e imperfeições.

O ponto de partida para essa depuração definitiva começa quando o indivíduo atinge a maturidade necessária, a favorecer um comportamento disciplinado, disposto a exercitar o bem, sem aberturas para o mal, sob inspiração dos valores cristãos.

Quando o Evangelho, o Código do Amor Divino, for observado em plenitude em todas as latitudes e longitudes, chegará o momento em que a Humanidade estará depurada e ajustada aos desígnios celestes.

Nesse futuro longínquo, porém inexorável, desaparecerão as doenças e as pessoas viverão na Terra cumprindo a programação biológica para a raça humana, de oitenta a cem anos.

A morte não ocorrerá por doença degenerativa ou desgaste prematuro do corpo. Virá suavemente pelo esgotamento das energias vitais, desencarne tranquilo e retorno feliz à vida espiritual.

Sem dúvida, há longa caminhada até essa gloriosa realização, mas todos chegaremos lá, porquanto essa é a vontade de Deus, que não falha jamais em seus objetivos.