Revista Reformador

Toxicomania¹

Joanna de Ângelis (Espírito)

Dentre os vícios sociais e as graves ocorrências do momento de dor planetária, avulta-se a toxicomania, que está dizimando verdadeiras multidões que lhe tombam na infeliz urdidura, enlouquecidas hoje, em marcha para o suicídio amanhã…

A dependência de drogas alucinógenas é das mais graves injunções a que a criatura se entrega, normalmente numa iniciação inocente, que se agrava num compromisso sem libertação. Justificativas socioeconômicas, de ordem familial ou ocasionadas por problemas emocionais e psicológicos, em forma de mecanismos de evasão da realidade, na busca de realizações alucinadas, não suportam a mínima análise sequer a respeito.

A fraqueza moral da vítima, que se não apoia nos valores éticos, capazes de contribuir para a verdadeira felicidade do homem, a ausência de fé religiosa na mente e de comportamento cristão, respondem, isto sim, pela desabalada correria dos que se entregam aos tóxicos, responsáveis pela violência, agressividade, loucura e autocídios que grassam em índices alarmantes por toda parte.

[Diante de tal realidade], envida todos os esforços em favor do equilíbrio doméstico. Participa com teus filhos dos problemas existenciais que experimentam e caminha ao lado deles, auxiliando-os na permanência dos hábitos salutares. Se puderes fazer mais, transmite à família e aos amigos a Doutrina Espírita, demonstrando a soberania e a transitoriedade do corpo e a ilusão da morte, fortalecendo em todos a esperança e a paz que fruirão mais tarde…

Esparze a boa semente e ampara o decaído no vício, despertando-o para a responsabilidade e para o bem, auxiliando-o na superação da crise alucinante… Jesus, o Governador Amorável da Terra, está vigilante, no entanto, conta contigo para a obra do bem geral.

¹N.R.: FRANCO, Divaldo P. Luz viva. Pelos Espíritos Joanna de Ângelis e Marco Prisco. 3. ed. Salvador: LEAL, 1991. p. 63 a 66. (Transcrição parcial.)